6 de março de 2008

Um menino

Eu vi um corpo:
Ele era fraco.
Ele era magro.
Ele estava com fome.

Eu vi um menino.
Ele era pequeno.
Ele tinha um sorriso.
Ele estava vivo.

Apesar de não quererem.
A sua risada.
A suas pernas agitadas.
A sua voz fina.

Apesar da miséria.
Ele vive.
E corre pelas ruas.
Repletas de buracos.

Chutando um pedaço de plástico.
É a sua bola.
E com os outros meninos
Ele sonha, ele corre e ele cai.

Eu vi um menino.
Seus olhos rápidos.
Seus dedos finos.
Ele tinha quinze
Mas parecia ter dez anos.

Eu vi um menino.
Ele talvez não se lembre
Que um dia me viu.
E eu não o esqueço mais.

5 comentários:

Me disse...

Há coisas que nos marcam. Lembras-te quando eu disse que quando via um animal na rua e fica toda trsite por vê-lo abandonado? Pois é, esta poesia me fez lembrar isso. Apesar dr ninguem dar conta das nossas presenças, nós vimos e jamais esquecerémos. E doí muito sentir aquilo que se sente quando se vê tais imagens. Era um quadro que eu jamais tentaria pintar!

Bjs
ME

Alice disse...

Olá!! Estive meio ausente e já com saudades desse espaço lindo!!
Palavras maravilhosas que nos faz sonhar!!
Beijos

violeta esmeralda disse...

Olá!!Lindamente triste.
Esses meninos que passam por nós todos os dias é pra mim o lado mais cruel e covarde de cada um de nós. Em cada um deles tem a nossa omissão,a nossa indiferença.
Adorei o Blog,parabéns!!
Violeta Esmeralda.

T S disse...

Eu vejo todos os dias os menino que descreves...infelizmente!!!
felicidades pelo dia da mulher!!!
um bjao para todas as mulheres da tua familia...
ts

Palavras disse...

OLÁ QUERIDO....obrigada pelas suas palavras em meu blog.......eu adoro escrever....não sei se escrevo bem ou mal...mas não importa....escrever é quase um exorcismo dos nossos sofrimentos,das nossas angústias,das nossas vivências ....boas ou ruins........adorei seus textos....em especial esse do menino que vc nunca mais irá esquecer........bjus e volte sempre.......rsrssrsrsr

claudinha