2 de março de 2008

Versos molhados em um papel seco

Os pingos da chuva caem, passam,
E me levam juntos com eles
No chão nos encontramos em pedaços
Mas tão perto um do outro.

Vejo a chuva cair
Pela janela aberta de meu quarto
E escrevo algum poema, pois assim acho
É uma forma de ir junto com os pingos d’água,
Mesmo que isso signifique fazer versos molhados
E depois colocá-los em um papel seco.

6 comentários:

Me disse...

olá meu amigo!
Passei para te dar os PARABENS :D
Que tenhas um dia muito FELIZ junto dos teus.
Adorei, mais uma vez, os teus versos :D
Passa no meu blog que tenho lá a minha 'prenda' para ti.

Feliz Aniversário
bjs*
ME

T S disse...

Amigo,
deixa que a chuva limpe os rastos de tristeza, deixa que ela limpe vc todo,assim qdo olhar o ceu,verá que ja nao esta tao nublado,para escrever versos apaixonados num papel de sentimentos
um beijo
convido vc para meu outro blog,onde comparto com dois colegas,chama-se Lusitana ilusao,espero que goste
beijo

Linda disse...

Olá... Passei cá porque teus textos me são um verdadeiro bálsamo... Abraços, amigo!
Renata

Lúcia Welt disse...

Olá poeta José
Só agora entrei no meu blog depois de semanas e deparei com teu comentário ao soneto que minha minha irmã Alma Welt me dedicou, e vim conhecer a tua poesia respondendo ao teu amável convite. Tive uma grata surpresa: nasce um poeta!
Espero que nos falemos mais e nos visitemos. Mas recomendo que conheças os blogs que abri para a literatura de minha falecida irmã, que pela sua grandeza continua viva (os poetas não morrem...)
www.almawelt.blogspot.com
Um abraço e parabéns, jovem poeta

Lucia

*Diana* disse...

Talvez por escreveres os teus versos entre pingos de água...seja tão facil beber a tua poesia....como fonte que alimenta a alma....Gosto muito dos teus versos...Linda poesia...

Pati disse...

Lindos teus versos...adorei esse e com tua licença vou reproduzir lá no meu blog,com a devida autoria...beijoss