2 de dezembro de 2007

Com licença

Senhor, com licença, a sua carteira caiu no chão
Todo mundo se descuida, não precisa ficar envergonhado
Agora que já pegou, por favor o dinheiro na minha mão
Isso mesmo, sem grito e de bico calado
Eu estou te roubando, isso é um assalto.

Minha família precisa comer
E eu tinha de dar um jeito
Não precisa ficar com medo, o senhor não vai morrer
Esse é o meu ofício: roubar para viver.

Eu não gostaria de estar aqui
Mas não tenho oportunidades
Trabalho é difícil de conseguir
Sinto - me envergonhado, queria mudar de verdade.

Mas é difícil, quem nasce assim
Pobre e sem condição
Corre o risco de levar um tiro e ser o fim
Ou ainda pior ir para prisão.

Deus - que - me - livre
Eu não quero isso para mim
Da minha turma sou um dos poucos que ainda vive.

Mas senhor vamos logo, antes que eu me arrepende
Tire esse dinheiro e passe para cá
Sabe: eu tenho um filho e ele está doente
Preciso comprar remédio, e seu dinheiro vai me ajudar.

Agora o relógio, este que está em seu braço direito
Sem truques senhor, eu estou te olhando
Um assalto tem de ser bem feito
Com todo cuidado e planos detalhados.

O ladrão não pode ter medo
Tem que saber escolher a vítima
Ser rápido e pegar logo o dinheiro
Sem falar, sem marcas, e nada de pista.

Agora senhor, pode ir embora
Ainda bem que cooperou, com licença
Eu tenho de ir, já está na minha hora.
Vai em paz, e cuidado com a violência
Nessa hora a rua tem muitos marginais
Se for de carro, dirija com prudência
Boa noite, eu vou pegar o meu ônibus.

2 comentários:

Rayani disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Rodrigues (JR.) disse...

APAGUEI O COMENTÁRIO DA rAYNE POR ENGANO, MAS COMO ESTAVA SALVO EM MEU E-MAIL AQUI ESTÁ ELE:

Olá, tudo bem? Bom, você visitou o meu blog e eu gostei muito do comentário que você deixou em um dos meus poemas, volte sempre! Esse poema que você escreveu ele é realmente muito bom, pois trata-se de um ladrão digamos... "educado", já que ele assalta o senhor de forma delicada e ainda dá uma despedida meio que calorosa no final... sua rimas são fortes e você escreve muito bem seus poemas, continue sempre assim, bjões da Ray!