1 de dezembro de 2007

Ele

Ele acordou cedo
Depois de uma noite mal - dormida
Foi trabalhar
Levando na sacola
Uma marmita.

Ele chegou cedo
Bateu seu ponto
Colocou o material no lugar
E iniciou seu dia.

Ele trabalha rápido
Coloca os tijolos, arruma
Depois levanta outra parede
Acerta um telhado, estala uma calha.

Ele come rápido
As mãos ligeiras com o garfo
A faca corta a carne
Pega o arroz e leva a boca - não mastiga, engole.

Ele está cansado
Recolhe o material usado e guarda
Lava-se na bica
E tranca o portão da obra e vai para casa.

Ele que acordou cedo
Só vai dormir tarde
Ele que chegou primeiro
Sai por último.

Ele trabalha e come rápido
É lento para pensar em si mesmo
Ele que está cansado
Acostumou - se com tudo isso.

Um comentário:

Anderson de Oliveira disse...

Um belo poema que resume um belo estilo... Linhas modernas, cotidianas que podem abordar o mundo, mesmo que um passo não seja dado da própria escrivaninha...

Gosto do seu estilo! É magnifico!

Abraço, cara, de um amigo poeta...