30 de março de 2009

Sem confete e sem alegria

Outra ilusão, não foi nada

Desta vez o seu coração sabia

Que aquele relacionamento era uma cilada

Sem confete e sem alegria.

 

Mas sempre machuca

Os dias corriam e o amor não vinha

E a solidão intrusa

Insistia em ser a sua única e fiel companhia.

 

Ela se olhava no espelho

Inquiria-se se era mesmo bonita

Virava-se ao avesso

Atrás de uma resposta, alguma pista.

 

A solução, decidiria, era não amar

E não esperar que um dia fosse amada

Pois assim não ia se deixar

Não sairia machucada.

9 comentários:

Clarinha disse...

...

Rô Castro disse...

É triste mais a realidade é que está cheio de relacionamentos assim; fadados ao fracasso,porém por falta de amor-próprio e por comodismo muitos se submetem. Issso é amor?!

(marta selva) disse...

isso é doloroso demais.
porque a solidçao vai crescendo e a esperança do ampr-tranquilo vai sendo sufocada. é complicado demais..porque somos todos fechados demais..e machucados demais para arriscar..
ai ai..
lindo texto, como sempre;

;*

Pripa Pontes disse...

Já tava sentindo falta de suas palavras ^^

Nossa como já me senti assim! E sempre a mesma história, quando o amor não dá certo, não se estabelece a primeira coisa que fazemos é nos perguntar o que fizemos/o que temos de errado. Nunca procuramos ver se o problema não é o outro...
E depois de tantas tentativas frustadas de que dê certo escolhemos o não amar como a garantia de não sofrer, mas acho que uma vida sem amor, acaba nos levando ao sofrimento da mesma forma.
Talvez seja minha visão um tanto quanto româmtica, mas chega um momento em que sentimos falta de amar, mesmo que n correspondidos, pelo menos sabemos que nosso coração está vivo, mesmo que se machuque...além do mais tudo é aprendizado!

Mais uma vez me delicio com seus versos!
E espero sua visita ao blog amador.

Bjos José!

Simone Lima disse...

Amei esse poema.. tem tudo haver com um momento da minha vida..

Quero pedir sua permissão para postar esse poema.. no meu blog.. claro que vou te dar todo o crédito. =) Um BeijO.

estou indicando seu Blog para ganhar o selo: Este blog é uma joia,, passa la no meu pra ver..

Um Beijo.

Rayana disse...

...não queria, mas me identifiquei tanto...

Lizzie disse...

Terrível quando isso acontece. Mas me recordo de um poema (a autoria não me recordo, mas é um famoso poeta...) que diz:
"O primeiro amor passou,
o segundo amor passou,
o terceiro amor passou,
mas o coração continua!"

Beijos,
Saudades.
www.lizziepohlmann.com

Pripa Pontes disse...

A pós modernidade nos trouxe o fenômeno da globalização que disse ter estabelecido uma aldeia global, sem barreiras para o desenvolvimento tecnológico e científico, e mesmo assim ainda vemos o oriente ser taxado de terrorista pelos policy makers de poderosas nações, e a áfrica renegada ao descaso, como uma terra sem lei que não soube ajustar-se À otica ocidental da construção do Estado...
Nessa questão nós latinos corremos em busca do desenvolvimento e aceitamos a perda de privacidade e a corrida contra o tempo como maneira de viver, como nossa garantia dentro de uma almejado "hall" de nações desenvolvidas..
Perder tempo, de fato, não é o problema mas a solução. A solução para nos desconectarmos das pressões e obrigações diárias e termos um tempo para nóes mesmos e dedicado a fazer o que gostamos, como tomar parte das reflexões que nos proporciona a blogosfera!

Bjos, José!

disse...

profundamente é a vida, sabe?
todos os sentimentos, dolorosos ou prazerosos devem ser aproveitados!pois não adianta evitar, "porque quando o amor chega, invade"
*Carol Melo

abraços