8 de julho de 2008

O tempo II

O tempo é puro movimento
Arrastando-nos em suas incertezas
Como as águas de um rio que a cada momento
São levadas nas fúrias de uma correnteza.

Para a realidade que passa
Não temos alento
E a memória tão atarefada
Guarda apenas pequenos acontecimentos.

A saudade nos salta à cara
Como um tapa sentido
E as lembranças são apenas imagens embaçadas
Do que foi ou não vivido.

O tempo é uma intensidade deflagrada
E nosso olhar perdido
Observa a imensidão do horizonte e não acha nada
E vê-se nele como a um amigo.

A pedir conselhos e dar boas risadas
Mas a compreensão parece-nos tão distante
Mal vemos as pedras na estrada
Pois temos andado em um sentido delirante.

12 comentários:

Perversus_Contos de Y.Y disse...

oi! li seu conto quem matou a ética
muito bom ,sei que não acredita em amor a primeira vista.. ha ha ninguem precisa saber disto..mas foi amor a sua palavras que fuçei tudo por aqui.

Poesia! disse...

obrigado pelo apoio!
tambem sera linkado por lá!
nao deixe de nos enviar poesias!

ChiKatoKiKa    disse...

escusado sera dizer que a tua poesia está fantastica.
focas sempre aspectos aos quais nao damos grande importancia...mas o que é facto é que eles existem e fazem parte do nosso dia a dia.
o tempo..é aquele que passa e jamais volta atrás!!!

beijos meu amigo!

ps. adorei a tua nova foto :D

Bill Stein Husenbar disse...

Maravilhoso. Quero dizer-lhe o quanto adorei... Está espectacular.

Obrigado por ter comentado no Blog de BSH - http://desabafos-solitarios.blogspot.com/ - e deixe-me dizer que o convite endereçado ao blog de BSH de criar uma rede com o blog Experimentado Versos está aceite e com muito gosto.

o blog em breve irá colocar o link.

obrigado

Blog de BSH
http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Li Melo disse...

Boa tarde josé! Belos versos.
O tempo pode ser nosso amigo, ou não só depende de nós.
Beijos.

Wolney disse...

Cheguei até aqui, neste espaço blogueiro e de comentário, sendo pescado pelo título do seu blog: Experimentando versos - muito bom!

Wolney

Pati disse...

Tá linda a poesia,José,gosto do jeito que vc faz suas experimentações....rsss
beijos e lindo sábado p vc.
Obrigada por ter aparecido lá no meu blog.
Beijoss e lindo sábado p vc.

AnaLua disse...

O tempo prá mim tem sido cura pra todos os meus males, todas as minhas dores... cicatriza mas deixa marcas, bem visíveis, mas agora insensíveis.
Gostei muito do poema.
Vou linkar teu blog, ok?
Bjos!

Germanus Kaiser disse...

Olá josé! Sensibilidade poética é rara no mundo degradado de hoje. Belos versos.
http://bibitcanus.blogspot.com

Pripa Pontes disse...

O tempo é sempre algo interessante e maravilhoso para nós, pq é uma das poucas coisas q o homem não conseguiu controlar por completo...
Belas palavras como suempre seus experimentos são verdadeiras obras-primas!


Bjos.

Cássia disse...

Maravilhoso o texto do tempo. Tão relativo e necessário, ele ainda nos coordena, nos confundindo entre o que deve ser feito e o que a nossa vontade mandava. Precisamos ainda domá-lo.

...amigos acontecem... disse...

Depois de tempos em diferentes espaços, volto e encontro tua mensagem. Realmente, nossa farta e voluptosa sociedade ergueu-se em seus próprios estribilhos, onde o agora é mero resultado construido apartir dessa lógica plastica de consumo e capital, em que o próprio ar é cogitado. Mas, meu caro, sera mesmo? Sera que este resultado é meramente uma projeção de certa lógica, lugar em que o determinismo histórico pontua nosso tempo, onde, passiveis a essa razão, transformamos o agora em "foi" ou "será"? Sim e não...
O que me intriga nessa vida é a própria capacidade de estarmos vivos, respirando, ao ar livre, frageis com o firmamento sob nossas cabeças.. Outra "coisa" que me intriga é a consumação disso, a morte. Creio que o Ser Humano sempre esteve a deriva das formas sociais de organização, porém, sempre tivemos também a capacidade de acessar o "algo sensível",
independente das Eras. Para irmos além desse tempo fabricado, onde reside o agora, temos que nos atentar para o "não-plastico" dessa nossa sociedade, onde o respeito por tudo a nossa volta torna-se uma virtude poderosa, e por que não, transformadora.

PS- Como voce percebeu, não tenho nada linkado no meu blog, descobrirei como fazer isso e, com o mair prazer, linkarei teu blog ceretiro por la.
Abraços,

Jorge